Navegação

Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

Ferramentas Pessoais

Você está aqui: Página Inicial / Matérias da capa / Problemas na Gengiva X Parto Prematuro

Problemas na Gengiva X Parto Prematuro

Como a Doença Bucal Provoca o Nascimento Prematuro?

 

Quando a placa bacteriana provoca inflamação, mediando substâncias químicas, incluindo as prostaglandinas E2 (PGE2), ocorre um aumento de certas citoquinas e do fator de necrose tumoral-alpha (TNF-a). Em grandes quantidades, a PGE2 libera uma molécula de composição extraordinariamente próxima à oxitocina, uma droga que é injetada para induzir o parto.

Desse modo, uma infecção periodontal crônica pode enviar uma mensagem similar ao corpo – “Já é a hora de dar à luz ao bebê” – mesmo quando seja demasiado cedo para fazê-lo. Mais ainda, alguns organismos que causam infecções no trato genital superior levando ao parto prematuro podem ter sua origem não na vagina, mas na boca da mulher ou na de seu parceiro sexual.

Esses organismos podem atingir a placenta através de uma disseminação bacteriana.

Numa pesquisa com 124 mulheres grávidas ou em período puerperal, em um estudo caso-controlado realizado por Offenbacher e colaboradores7, as que tiveram bebês prematuros apresentavam doença periodontal mais extensa do que as do controle, que tiveram filhos com peso e nascimento normais. Mencionando um possível papel das citoquinas na gênese dos nascimentos prematuros, o estudo mostrou que a doença periodontal é um importante fator de risco, com razões de probabilidade de 7,9% para os casos de nascimento prematuro e baixo peso e de 7,5% para os casos de mulheres primíparas que tiveram bebês de baixo peso.

Os estudos longitudinais existentes permitiram concluir que a doença periodontal em sua forma mais severa resulta em uma maior predominância de nascimentos prematuros.


O Tratamento Periodontal Pode Reduzir o Risco de Nascimentos Prematuros?

Os dados não confirmam ainda que tratamentos periodontais poderiam diminuir suficientemente o risco de nascimentos prematuros. Os tratamentos podem incluir cuidados preventivos, raspagem e alisamento radicular, antimicrobianos, ou, em alguns casos, cirurgia periodontal. As pacientes que estão pensando em ficar grávidas devem submeter-se a tratamentos preventivos,pois elas necessitam de um exame periodontal completo e um diagnóstico, de modo que se realmente apresentarem sinais iniciais e moderados da doença periodontal, elas poderão receber tratamento antes de ficarem grávidas. As pacientes que já estão grávidas e nas quais se detecta a doença são idealmente tratadas no segundo trimestre.

 

 

 

Aviso Importante: O objetivo destas páginas Web é facilitar a comunicação de informações odontológicas. Em nenhuma circunstância elas devem substituir a atenção por parte de um profissional da saúde.