15. MANEJO DE BIÓPSIAS

 

  • As biópsias devem ser colocadas em frasco resistente contendo formaldeido a 10%, com tampa segura, e transportadas em saco plástico ao laboratório. 

  • Tomar cuidado durante a colheita, para evitar a contaminação externa do frasco. 

  • Se ocorrer contaminação externa do frasco, fazer a limpeza e desinfecção.

16. DENTES EXTRAÍDOS

Devolver ao paciente, se ele o desejar. Se o dente extraído for considerado "lixo patológico humano", não poderá ser devolvido ao paciente e sim eliminado no recipiente para pérfuro-cortantes. No caso de usá-los no ensino, observar a rotina exposta a seguir: 

  • Os dentes extraídos devem ser considerados infectantes e classificados como amostras clínicas, pois contêm sangue. Usar EPI. 

  • As pessoas que coletam, transportam ou manipulam dentes extraídos, devem manejá-los com os mesmos cuidados tomados com as biópsias. 

  • Antes da manipulação, os dentes devem ser desinfetados em glutaraldeído a 2% ou hipoclorito de sódio a 1%, por 30 minutos, e depois livrados do material aderente, através de escovação com detergente e água. 

  • Depois de limpos, os dentes devem ser autoclavados. Dentes com restaurações de amálgama não podem ser autoclavados (o mercúrio seria liberado ao aquecimento, criando um risco químico), devendo ser tratados com solução de glutaraldeído por 10 horas e lavados com água de torneira. 

  • A superfície de trabalho e os equipamentos devem ser limpos e desinfetados após o término dos trabalhos, ou então fazer uso de barreiras.

Obs.: Para outras utilizações, pesquisa por exemplo, os procedimentos propostos devem ser reavaliados para que não interfiram na metodologia utilizada.

17. CUIDADOS COM O LIXO

A organização de um sistema de manuseio eficiente do lixo começa com a segregação do lixo infecctante daquele que não o é, no local onde é gerado. 

Deve-se classificar como lixo potencialmente infectante, instrumentos afiados como agulhas, lancetas, bisturis ou vidro quebrado contaminado, sangue e fluidos corporais, bem como materiais pesadamente contaminados com eles. 

A destinação do lixo gerado na Faculdade de Odontologia de Bauru, segue as normas da Resolução 15, da SSSP - capítulo XVII, artigos 69 a 75, havendo uma Comissão específica para isso.

  • Os objetos pérfuro-cortantes, tais como agulhas, lâminas de bisturi, brocas, pontas diamantadas, limas endodônticas, devem ser descartados em recipientes vedados, rígidos, e identificados com a simbologia de risco biológico. Após seu fechamento, devem ser acondicionados em saco branco leitoso , preenchido até 2/3 de sua capacidade, para evitar vazamentos. Nunca tentar descartar um objeto pérfuro-cortante, num recipiente cheio demais.

  • Durante o uso, os recipientes para pérfuro-cortantes devem ficar facilmente acessíveis, localizados no local de geração, mantidos sempre na posição vertical.

  • Todo o material descartável, como sugadores, tubetes de anestésico, máscaras, luvas, gazes, algodão etc. deve ser desprezado em sacos de plástico branco e impermeável, com rótulo de "contaminado".

  • O lixo infectante gerado nas clínicas deve ser transportado, em carrinhos fechados, até o local para guarda desses resíduos, onde será mantido em condições perfeitamente higiênicas até ser transportado pelo Serviço de Coleta Seletiva da Prefeitura Municipal de Bauru.

  • Os restos de mercúrio deverão ser mantidos em recipientes rígidos, vedados por tampa rosqueável, contendo água no seu interior e, posteriormente, enviados para usinas de reciclagem.

  • Os resíduos comuns deverão ser embalados em sacos plásticos para lixo doméstico.