Navegação

Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

Ferramentas Pessoais

Você está aqui: Página Inicial / Conheça a Clínica Humanus / Biossegurança / 4. PREPARO DE MATERIAL A SER ESTERILIZADO NA CENTRAL DE ESTERILIZAÇÃO

4. PREPARO DE MATERIAL A SER ESTERILIZADO NA CENTRAL DE ESTERILIZAÇÃO

4. PREPARO DE MATERIAL A SER ESTERILIZADO NA CENTRAL DE ESTERILIZAÇÃO

Cabe ao usuário da Central de Esterilização, seguir as seguintes instruções:

4.1 LIMPEZA

Limpar efetivamente o instrumental e caixa, logo após sua utilização, através de escovação com escova de cerdas de nylon e detergente neutro. Uma opção melhor para a limpeza, é o uso do Detergerm enzimático (agente de limpeza com agentes tensio-ativos e enzimas), em cubas de plástico que sempre estarão disponíveis nas clínicas:

  • As auxiliares de clínica deverão deixar disponível para os alunos o Detergerm em copinhos de plástico ou o potinho com tampa no qual vem os filmes fotográficos (10 ml para a cuba pequena; 30 ml para a cuba grande).
  • O aluno deverá encher a cuba, até o limite demarcado, com água. Para as cubas da Cirurgia serão 3 litros (profundidade de 4,2 cm) e para as outras, 1 litro (profundidade de 4,0 cm).
  • Ao término da atividade clínica, os intrumentos devem ser mergulhados na solução por 5 a 10 minutos, mantendo-se a caixa fechada, e depois, bem enxaguados sob água corrente. Se persistir alguma sujidade em ranhuras, por exemplo, retirá-la com escova e detergente.
  • Secar cuidadosamente com tecido absorvente, inclusive as articulações, para evitar corrosão e enrijecimento.
  • Eliminar a solução ao final da clínica. Lavar a caixa com água e detergente, enxaguar, enxugar e deixar sobre a pia.

4.2 ACONDICIONAMENTO

Acondicionar e embalar de acordo com o processo escolhido para esterilização:

ESTUFA

  • O instrumental deve ser acondicionado em caixa de metal fechada: inox de paredes finas ou alumínio.
  • Envolver a extremidade ativa do instrumental com papel alumínio (finalidade de proteção).
  • Separar as seringas dos respectivos êmbolos.

AUTOCLAVE

  • O instrumental com trava de fechamento deverá estar entreaberto.
  • O instrumental deve ser envolvido em campo de algodão cru e acondicionado em: caixa metálica ou acrílica totalmente perfurada, ou bandeja com até 4 cm de altura.
  • O pacote externo poderá ser feito em: algodão cru duplo, papel kraft, papel grau cirúrgico, filmes de poliamida, papel crepado e embalagem não tecido.

Observações

  1. O campo de tecido deve ser lavado quando novo e após cada autoclavação, pois sua trama precisa ser recomposta para permitir a penetração do vapor. O tecido de algodão deve ser estocado em condições ideais e não é recomendado para autoclaves gravitacionais. Deve ser lavado a cada processamento e não deve conter remendos ou cerzidos.
  2. O papel kraft não deve ser reutilizado. Após a autoclavação aumenta o diâmetro de seus poros favorecendo a recontaminação do material. O papel kraft deve ser de uso restrito por não se tratar de barreira antimicrobiana eficiente e liberar resíduos nos instrumentos, favorecendo o aparecimento de manchas.
  3. Os filmes de poliamida e o papel grau cirúrgico são utilizados para peças de mão, brocas e poucas unidades de instrumentos.

4.3 ENTREGA

O material deve ser entregue na Central de Esterilização de acordo com o dia e horário pré-estabelecidos (sempre das 7 às 11 horas), podendo não ser aceito caso esteja em condições inadequadas para validação do processo de esterilização.

4.4 RETIRADA

O material, após esterilizado, deverá ser retirado na Central antecedendo cada clínica, mesmo que o atendimento tenha sido cancelado.

4.5 VALIDADE

O material processado pela Central, terá validade de 7 dias, a contar da data de esterilização, desde que não tenha sido retirado da embalagem plástica protetora.

4.6 SUGESTÕES PARA A LISTA DE MATERIAL

  • Caixa de alumínio (tipo marmita) totalmente perfurada (Periodontia, Dentística, Odontopediatria, Prótese) 17,5cm x 10,5cm x 5,5cm
  • Campos de tecido de algodão cru 46cm x 46cm - duplo (externo) 36cm x 36cm - simples (interno)
  • Caixa de inox totalmente perfurada (Endodontia) 21 cm x 11 cm x 6,5cm
  • Campos de tecido de algodão cru 50cm x 50cm - duplo (externo) 40cm x 40cm - simples (interno)
  • Caixa de inox totalmente perfurada (Cirurgia) 28cm x 14cm x 6,5cm
  • Campo de tecido de algodão cru 66cm x 66cm - duplo (externo) 56cm x 56cm - simples (interno)

Obs.: providenciar 2 campos externos e 2 campos internos para cada caixa, possibilitando a lavagem após cada utilização.

4.7 CUIDADOS COM AS PEÇAS DE MÃO

A partir da fabricação das peças de mão autoclaváveis, não mais se justifica apenas a desinfecção externa desses dispositivos. O tratamento pelo calor, porém, exige que sejam seguidas as instruções do fabricante quanto à limpeza e lubrificação dos mesmos, para prolongar sua vida útil. Como a maioria dos equipos e pontas utilizados na FOB são fabricados pela DABI-ATLANTE, daremos a seqüência recomendada por ela, devendo os usuários procurar e seguir as instruções dos demais fabricantes. Juntamente com a peça de mão de alta rotação e o sistema de baixa rotação (micromotor, peça reta e contra-ângulo), a DABI-ATLANTE fornece o óleo que deve ser usado na lubrificação. O frasco azul é usado na caneta e o vermelho, nos demais. É importante não fazer o uso trocado. A lubrificação desses elementos é feita antes e após a esterilização. Para evitar o contato do instrumento esterilizado, com um aplicador de óleo "sujo" (que entrou em contato com o instrumento contaminado), o frasco do lubrificante é fornecido com dois bicos injetores cambiáveis: o vermelho, que faz a lubrificação antes da esterilização, e o azul, usado após a esterilização. Não confundir bico injetor vermelho com frasco vermelho. Tanto o frasco azul como o vermelho são providos dos dois bicos injetores.

Autoclavação das pontas

Lavagem

Não se esteriliza um instrumento sujo. Por isso, inicialmente é preciso desconectar da mangueira e fazer a limpeza das peças sob água corrente, com escova e detergente, secando bem, a seguir. Secar por dentro com ar comprimido. (Matéria orgânica aderida provoca mancha. Os sais da água de torneira provocam manchas e ferrugem e destróem os rolamentos).

Lubrificação

É preciso lubrificar abundantemente para proteção contra os efeitos da umidade.

Lubrificação prévia da caneta de alta rotação ? Deixar em posição uma broca.

  • Introduzir o bico vermelho do frasco azul de óleo no orifício maior, situado na parte posterior da peça de mão.
  • Injetar o óleo por dois a três segundos, mantendo o frasco do lubrificante em posição vertical e segurando a broca para evitar o giro da turbina.

Lubrificação prévia do micromotor, peça reta e contra-ângulo Micromotor

  • Girar totalmente o anel preto em sentido horário.
  • Injetar o óleo (frasco vermelho, bico vermelho) no furo maior, atrás da peça.
  • Girar totalmente o anel em sentido anti-horário.
  • Repetir a injeção de óleo.

Peça reta

  • Injetar óleo na peça reta. Esta deve estar com uma pedra presa na pinça.
  • Conectar ao micromotor e girar a pedra para revolver a engrenagem no óleo.

Contra-ângulo

  • Injetar óleo no contra-ângulo.
  • Deixar o micromotor, a peça reta e o contra-ângulo na posição horizontal por alguns minutos.

Esterilização

Embrulhar as peças em papel kraft e esterilizar em autoclave.

Lubrificação posterior

  • Relubrificar ao abrir a embalagem para utilização, fazendo a troca pelo bico azul nos frascos vermelho e azul.

Importante

  • Não trocar o frasco azul (caneta de alta) com vermelho (micromotor).
  • O vermelho contém detergente que é prejudicial para a caneta.
  • O azul não contém detergente, sendo prejudicial para o micromotor.
  • Não adianta lubrificar corretamente se o ar comprimido contiver umidade.
  • Não adianta drenar a umidade, se não lubrificar as pontas.

volta ao topo