Navegação

Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

Ferramentas Pessoais

Você está aqui: Página Inicial / Câncer / Câncer de boca tem cura?

Câncer de boca tem cura?

Câncer tem cura gd  

Sim. A literatura mundial vem destacando há muitos anos o valor do diagnóstico precoce, afirmando que são reduzidas as possibilidades de sobrevida diante de lesões avançadas. Em função da necessidade de se fazer o diagnóstico precoce, que amplia consideravelmente a curabilidade desses tumores malignos, fica patente que cabe ao cirurgião-dentista  examinar, reconhecer, diagnosticar e orientar o seu paciente com precisão e rapidez, já que o dentista é o profissional de saúde que tem a oportunidade constante de ter contato com o paciente por períodos prolongados e revê-lo com relativa freqüência.

 

O câncer, nome genérico das neoplasias malignas, tem sua iniciação com o descontrole e multiplicação celular mais rápida que as células normais do organismo. Com o crescimento rápido produzem pequenos nódulos ou ulcerações e quase sempre não são percebidas pelo paciente porque são sempre indolores. Quando o câncer é diagnosticado nesta fase, sua cura pode se aproximar dos 100%.

 

Como essas lesões costumam ser assintomáticas, o paciente quando procura seu profissional de saúde costuma não se queixar da lesão existente, pois muitas vezes o próprio paciente não percebe sua presença. Apenas com um exame clínico cuidadoso de todas as estruturas da boca é possível identificar esse tipo de lesão inicial.

 

Quando a neoplasia maligna não é reconhecida e diagnosticada nesta fase, continua sua evolução natural, aumentando suas dimensões com mais rapidez e se apresentará, clinicamente, como ulcerações ou nódulos de dimensões maiores e ainda assintomáticos. Nódulos ou úlceras persistentes que não doem são extremamente suspeitos, ainda mais se a região onde se instalam estiver endurecida. Deve-se biopsiar ou orientar para biópsia e realizar o exame anatomohistopatológico da peça removida o mais breve possível.

 

Os cânceres que tem origem na boca, precocemente, podem fazer metástases em linfonodos cervicais e mesmo metástases à distância; para os pulmões, ossos, cérebro, fígado e outros órgãos ou tecidos onde se reproduzirão localmente como tumores autônomos. Nesta fase a doença é sistêmica e a possibilidade de cura se reduz à medida que o tumor evolui.

 

NÃO PERDER TEMPO É DE FUNDAMENTAL IMPORTÂNCIA PARA O BOM RESULTADO DO TRATAMENTO!

 

 

 

Aviso Importante: O objetivo destas páginas Web é facilitar a comunicação de informações odontológicas. Em nenhuma circunstância elas devem substituir a atenção por parte de um profissional da saúde.